segunda-feira, 31 de agosto de 2009

SANTOS, Marcos Hercules dos. Desenvolvimento de coleções: uma proposta de automação à atividade de Avaliação de coleções em bibliotecas universitárias

SANTOS, Marcos Hercules dos. Desenvolvimento de coleções: uma proposta de automação à atividade de Avaliação de coleções em bibliotecas universitárias
http://www.inf.ufes.br/~elias/marcos/TCCmarcos.xml
Demonstrar a aplicabilidade do padrão de metadados XML, a partir das sugestões bibliográficas contidas nos programas de disciplinas dos cursos de uma IES , de forma que possibilite subsidiar o desenvolvimento de coleções de uma biblioteca universitária.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Tecnologias e ferramentas gratuitas da Internet e sua aplicação aos programas de aprimoramento profissional à distância de equipes em bibliotecas

http://www.febab.org.br/rbbd/ojs-2.1.1/index.php/rbbd/article/view/106/122
Tecnologias e ferramentas gratuitas da Internet e sua aplicação aos programas de aprimoramento profissional à distância de equipes em bibliotecas universitárias
Monica Alves Moreira Bucci, Patrícia da Silva Meneghel

Resumo: Para que os programas de aprimoramento profissional, que utilizam a
metodologia a distância, transmitam de forma eficiente e eficaz o seu conteúdo, faz-se necessário utilizar tecnologias e ferramentas apropriadas que otimizem o processo de aprendizagem. Em educação à distância, tecnologias são consideradas recursos que
propiciam a comunicação humana, a transmissão de informações, a geração e a
disseminação de conhecimentos, como forma de facilitar o processo de aprendizado e
estimular a colaboração e interação entre os envolvidos. A realização desse trabalho
envolveu uma pesquisa para identificar tecnologias e ferramentas gratuitas da Internet, que pudessem ser utilizadas em um programa de aprimoramento profissional,
especialmente para equipes de bibliotecas universitárias. Entre as tecnologias
identificadas, destacam-se: Moodle, TelEduc, AulaNet e e-ProInfo. Dentre as
ferramentas, salientamos: Voki, ISSUU, You Tube, Flickr e Stripcreator. O
planejamento de programas de aprimoramento profissional deve ser meta permanente,
pois contribui para capacitar as equipes no processo contínuo de transformação de
bibliotecas em um ambiente de aprendizagem e construção do conhecimento. A seleção
de tecnologias e ferramentas, assim como a maneira adequada de utilizá-las é que irão
garantir o sucesso desses programas, especialmente no que diz respeito ao foco desse
artigo - aprimoramento para equipes de bibliotecas universitárias.
Palavras-chaves: Educação a distância. Tecnologias e ferramentas. Capacitação de

DIRETRIZES PARA CURSOS A DISTÂNCIA DE CAPACITAÇÃO DE USUÁRIOS EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS

http://www.febab.org.br/rbbd/ojs-2.1.1/index.php/rbbd/article/view/105/145
Maria Helena Souza Ronchesel
Leandro Kingeski Pacheco
Resumo: Diante dos avanços tecnológicos, para que os cursos de capacitação de
usuários de bibliotecas universitárias atinjam seus objetivos, faz-se necessário que as
diretrizes sejam estabelecidas com clareza. A educação a distância surge como uma
oportunidade de otimização desse serviço oferecido pelas bibliotecas apresentando
referenciais de qualidade que compreendam aspectos pedagógicos, recursos humanos e
infra-estrutura. Para atender as novas exigências na busca por informações, o conteúdo
de um curso a distância para capacitação de usuários de bibliotecas universitárias deve
ser composto de informações básicas sobre: a biblioteca; a pesquisa científica; as buscas
bibliográficas; a leitura, a análise e a interpretação de textos científicos; o projeto de
pesquisa; a elaboração e a redação de trabalhos científicos; os mecanismos e meios de
divulgação de trabalhos científicos. Este trabalho pretende apresentar diretrizes
informacionais que nortearão a proposta de organização de conteúdo e desenvolvimento
do curso, subsidiando a elaboração de materiais didáticos, de comunicação e de
avaliação, bem como o trabalho da equipe envolvida.
Palavras-chaves: Bibliotecas universitárias. Educação à distância. Capacitação de
usuários.

A INTERAÇÃO DE USUÁRIOS COM O CATÁLOGO ONLINE

http://www.febab.org.br/rbbd/ojs-2.1.1/index.php/rbbd/article/view/104/144
Carla Cristina Vieira de Oliveira
Resumo: Os catálogos on-line, também conhecidos como Online Public Acess
Catalogue, mudaram a rotina dos usuários de bibliotecas, possibilitando a utilização de
diversos recursos por vários usuários ao mesmo tempo, sem limite de espaço. Essa
pesquisa analisa a interação dos usuários de oito bibliotecas pertencentes ao Sistema de
Bibliotecas da UFMG com o catálogo on-line do Sistema Pergamum – Sistema
Integrado de Bibliotecas. Identifica os recursos e as pesquisas disponíveis no catálogo
que os usuários efetivamente utilizam, apresenta um perfil de usuário do catálogo online
da UFMG; verifica se o sistema possui alguns quesitos de usabilidade listados na
literatura e compara as diferenças e semelhanças dos resultados encontrados com
usuários de diversas áreas de conhecimento. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de
caráter descritivo e utilizou-se a técnica da entrevista individual e do incidente crítico
para avaliar o uso do catálogo na perspectiva do usuário final.
Palavras-chave: Catálogo On-line. Usabilidade. Pergamum. Estudos de Usuário.

Notícia sobre o Pergamum

http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/tecnologia/conteudo.phtml?id=917536
O Pergamum, sistema criado inicialmente para administrar a biblioteca da Pontifícia Universi­dade Católica do Paraná (PUCPR) e hoje transformado em uma plataforma de consulta a acervos de todo o país, está prestes a dar um grande passo. Atualmente, a base de dados do sistema abrange 2,5 milhões de títulos, distribuídos por 260 instituições. Até o fim do ano, no entanto, o acervo total deve chegar a 10 milhões de obras – o suficiente para transformá-lo no maior do país.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Mais ferramentas de Catalogação

á olharam estes links?
http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&q=RDA,+FRBR,+FRAD,+AACR2&meta=

e no http://delicious.com/ pesquisem pelos mesmo termos (não esqueçam de aplicar os filtros).

Novas ferramentas de catalogação

http://gecaonline.blogspot.com/
Novas ferramentas de catalogação
Tem um grupo de pesquisa na UNESP - Novas Tecnologias de Informação -  onde estudamos de forma específica as questões e mudanças da catalogação.
Estou encaminhando alguns links que acredito que possam lhe ajudar: http://gecaonline.blogspot.com/
http://gepcat.blogspot.com/

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

MARC, MARCXML E FRBR: relações encontradas na literatura

http://www.pergamum.pucpr.br/redepergamum/trabs/2008_01.pdf
RESUMO O artigo comenta o formato MARC e sua evolução ao longo
dos anos. Apresenta brevemente a linguagem XML, com o
intuito de subsidiar a apresentação das idéias encontradas na
literatura acerca do MARCXML. Considerando a esperada
correspondência entre os elementos do modelo FRBR -
Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos e o formato,
explora, por meio da revisão da literatura recente, as discussões
encontradas sobre as relações entre o modelo conceitual e o
formato de intercâmbio bibliográfico.
Palavras-chave REQUISITOS FUNCIONAIS PARA REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS

O Admirável Mundo Novo do FRBR

http://www.imeicc5.com/download/portuguese/Presentations2c_BraveNewFRBRWorld(PR)_Port.pdf
um modelo desenvolvido pela IFLA
O FRBR é resultado de um estudo sobre os requisitos funcionais para registros bibliográficos empreendido
de 1992 a 1997 por um grupo de especialistas e consultores encomendado pela IFLA. O objetivo do estudo
“era produzir uma estrutura (framework) que proporcionasse uma compreensão clara, definida com
precisão e comumente compartilhada de como o registro bibliográfico pode proporcionar informação sobre
o que se espera que o registro possa arquivar em termos de resposta às necessidades do usuário.”

FRBR MODELANDO A CATALOGAÇÃO SEM ANOROXIA

FRBR MODELANDO A CATALOGAÇÃO SEM ANOROXIA
http://www.ofaj.com.br/colunas_conteudo.php?cod=278

Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições

http://www.febab.org.br/
Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições
O espaço do bibliotecário brasileiro.
"COMPETÊNCIA EM INFORMAÇÃO PARA BIBLIOTECÁRIOS" Elisabeth Adriana Dudziak
Hoje, mais do que nunca, os profissionais da informação (como o bibliotecário, o analista de informações e o documentalista), necessitam ser competentes em informação. Isto significa ser um expert no domínio de habilidades, conhecimentos e atitudes que capacitam o indivíduo a lidar com a totalidade do ciclo informacional. Além disso, cabe ao profissional da informação promover meios e implementar ações educacionais que tornem crianças, adolescentes e adultos competentes em informação.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Filme Palestra Sophia

video

Estrategia didáctica para desarrollar la habilidad evaluar información en la carrera de Bibliotecología y Ciencia de la Información

http://eprints.rclis.org/12623/
Estrategia didáctica para desarrollar la habilidad evaluar información en la carrera de Bibliotecología y Ciencia de la Información
Análise do impacto dos requisitos funcionais para registros bibliográficos (FRBR) nos pontos de acesso de responsabilidade pessoal ...

Análise do Padrão Brasileiro de Metadados de Teses e

Análise do Padrão Brasileiro de Metadados de Teses e

Catalogação do Futuro: FRBR & RDA - Catalogação Midia digital

Catalogação do Futuro: FRBR & RDA - Catalogação Midia digital

Catalogação descritiva no século XXI:

http://www.marilia.unesp.br/Home/Pos-Graduacao/CienciadaInformacao/Dissertacoes/correa_rmr_me_mar.pdf
Catalogação descritiva no século XXI:

A informação é essencial neste limiar do Século XXI, assim como sua transmissão.
A catalogação descritiva, como área da Biblioteconomia responsável por transmitir
as informações contidas em acervos de qualquer natureza, por meio da construção
de formas de representação, deve acompanhar a evolução das necessidades dos
usuários. Esta constatação preocupa especialistas da área. A padronização, na
representação das informações e documentos é imprescindível e também o objeto
de trabalho da catalogação descritiva como forma de garantia do intercâmbio de
registros bibliográficos. A preocupação cresce com a rapidez com que as
informações são geradas e disponibilizadas em diferentes formas. Este trabalho
propõe-se a analisar o estado da arte do esquema Resource Description and Access
(RDA) elaborado pela International Federation of Libraries Associations (IFLA), para
uso de catalogadores e bases de dados bibliográficos. A análise baseia-se em
pesquisas bibliográficas on-line. A evolução da catalogação e seus códigos de
regras; a influência das tecnologias nos meios de comunicação, especificamente na
troca de informações bibliográficas; a compatibilidade de conceitos visando a
comunicação eficiente entre máquina, catalogador e informações codificadas para
atendimento dos usuários foram utilizadas para a construção da parte histórica do
trabalho. O estudo do RDA foi elaborado reunindo-se as necessidades
informacionais, a catalogação descritiva e o novo esquema para compreender sua
abrangência e a sua possível aceitação internacional, como uma forma de
possibilitar o controle bibliográfico e ampliar o acesso e uso das informações
disponíveis nos mais diversos ambientes informacionais. O RDA, por ser um
esquema em fase de elaboração somente pode ser analisado do ponto de vista
teórico. Nossa análise verificou que o RDA é um esquema eficaz, por aliar a teoria à
prática. A base teórica serve de apoio para a tomada de decisões para a
catalogação descritiva. As considerações finais nos conduzem ao aceite do RDA,
desde que eficazmente gerido pelas Instituições que detêm seu domínio. Sua
publicação está prevista para 2009, quando poderemos realmente saber as
dimensões de sua aplicação e aceite.
Palavras-chave: Catalogação descritiva; RDA; Princípios de Paris; Códigos de
catalogação

PANORAMA DA CATALOGAÇÃO NO BRASIL:

http://cdij.pgr.mpf.gov.br/noticias/palestra_cbbd/RE_A1.pdf
PANORAMA DA CATALOGAÇÃO NO BRASIL:
da década de 1930 aos primeiros anos do Século XXI
Fernando Modesto1

FRBR – REQUISITOS FUNCIONAIS PARA REGISTROS

http://www.sbu.unicamp.br/snbu2008/anais/site/pdfs/3269.pdf
FRBR – REQUISITOS FUNCIONAIS PARA REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS: primeiro estudo investigativo da USP
Os FRBR se apresentam como uma nova filosofia na descrição dos objetos de
informação. Como tema recente no cenário biblioteconômico brasileiro, um grupo
de projetos do SIBi-USP propôs um estudo investigativo dos aspectos teórico e
prático sobre o tema. O método contemplou a pesquisa documental e o
levantamento de experiências. Os resultados indicam que a literatura em
Português ainda é incipiente, sendo a compreensão do tema dependente da
literatura inglesa. As vantagens da prática do modelo FRBR parecem ser a forma
de exibição das informações ao usuário e a facilidade na catalogação dos
registros. Não há relato da prática no Brasil; como conseqüência, não há
pesquisas de satisfação de usuários dos FRBR.
Palavras-chave: FRBR. Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos.

O MODELO CONCEITUAL FRBR: DISCUSSÕES RECENTES E UM OLHAR

O MODELO CONCEITUAL FRBR: DISCUSSÕES RECENTES E UM OLHAR SOBRE AS TAREFAS DO USUÁRIO1
THE CONCEPTUAL MODEL FRBR: RECENT DEBATES AND A LOOK INTO USER
Este trabalho apresenta sucintamente o modelo Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos (FRBR), para então apontar seus desdobramentos, isto é, os modelos que derivaram do original, alguns padrões que foram afetados após a sua publicação, trazendo algumas discussões atuais sobre estas questões. Em seguida, detalham-se as tarefas do usuário do modelo FRBR e outras idéias encontradas na literatura, bem como as tarefas do modelo Functional Requirements for Authority Data (FRAD). Concluindo, são apresentados comentários finais sobre o modelo FRBR e as tarefas do usuário.
Palavras-chave: Representação descritiva. FRBR. FRAD. Catálogos. Tarefas do usuário.

Análise do impacto dos Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos (FRBR) nos pontos de acesso de responsabilidade pessoal

http://biblioteca.universia.net/html_bura/ficha/params/id/31934489.html
As alterações na forma de produção do conhecimento e o grande volume de documentos pressionaram e estimularam mudanças na catalogação. Nesse contexto, foi publicado em 1998 um modelo teórico para a catalogação conhecido como Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos (FRBR . Functional Requirements for Bibliographic Records). Em geral, os códigos de catalogação são divididos em duas partes: uma destinada à descrição e outra aos pontos de acesso. Este estudo teve como objetivo analisar os procedimentos para a escolha dos pontos de acesso de responsabilidade pessoal do registro bibliográfico, relacionando-os com os conceitos apresentados nos FRBR. Caracterizada como uma pesquisa teórica, a investigação recorreu à abordagem dedutiva para analisar as regras e os princípios aceitos internacionalmente utilizados na escolha dos pontos de acesso. A pesquisa também possui uma parte empírica para coletar dados factuais sobre a aplicação de regras de catalogação e comparar os registros com e sem a base dos FRBR. Como resultado, observou-se que as regras da catalogação ainda se direcionam aos catálogos impressos. No entanto, os conceitos apresentados pelos FRBR se relacionam aos catálogos automatizados. Os FRBR ampliam as dimensões das responsabilidades sobre o conteúdo de uma obra e expressão, traduzindo as alterações sociais para as possibilidades de representação da informação nos registros bibliográficos. Com os FRBR as regras devem ser estipuladas para facilitar as atividades dos usuários. Isto implica na revisão das regras de catalogação, especialmente as relacionadas à escolha dos pontos de acesso. Assim, o bibliotecário empenhará mais esforços para determinar quais serão os pontos de acesso necessários aos seus usuários. Dentre os inúmeros impactos provocados pelos FRBR, talvez, os de maior destaque sejam a retomada das discussões sobre a catalogação em nível teórico e o realce da importância do trabalho intelectual dos profissionais.

Análise do impacto dos Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos (FRBR) nos pontos de acesso de responsabilidade pessoal

Análise do impacto dos Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos (FRBR) nos pontos de acesso de responsabilidade pessoal
http://www.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=343

Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos

http://www.loc.gov/catdir/cpso/o-que-e-frbr.pdf
Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos
TAREFAS DE USUÁRIOS
Quais seriam as tarefas de usuários dos FRBR?
De forma sucinta, seriam: encontrar, identificar, selecionar e obter.
‘Encontrar’
envolve o atendimento de algum critério de busca de um usuário
através de um atributo ou um relacionamento de uma entidade. Isto pode ser visto como a combinação dos objetivos tradicionais dos catálogos "encontrar" e “arranjar”.
‘Identificar’ permite a um usuário confirmar se encontrou aquilo que
procurava, distinguindo entre recursos similares.
‘Selecionar’ envolve o atendimento das especificações do usuário quanto ao conteúdo, formato físico, etc. ou
à rejeição de uma entidade que não atende às necessidades do usuário.
‘Obter’
permite a um usuário adquirir uma entidade através da compra, empréstimo, etc., ou
através do acesso eletrônico remoto.

FRBR Requisitos Funcionais para Registros

http://www.stf.jus.br/arquivo/sijed/06.pdf
FRBR Requisitos Funcionais para Registros
Os Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos são um modelo conceitualque reestrutura os registros bibliográficos, reorganizando os elementos através da análise de entidades, atributos e relacionamentos.
Entidades
10 entidades, divididas em 3 grupos
Grupo 1 –entidades que são produto de trabalho intelectual ou artístico

Grupo 2 –entidades que são responsáveis pelo conteúdo intelectual, guarda ou disseminação das entidades do primeiro grupo

Grupo 3 –entidades que são ou podem ser assunto das entidades.

Entidades e relações bibliográficas primárias
OBRA
Expressão
Manifestação
Item

Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos - FRBR: um estudo no catálogo da Rede Bibliodata

http://eprints.rclis.org/6330/1/DISSERTA%C3%87%C3%83O_FERNANDA_MORENO_-_UnB.pdf
Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos - FRBR: um estudo no catálogo da Rede Bibliodata
No contexto da área de estudos da Biblioteconomia e Ciência da Informação, a Representação Descritiva apresenta uma série de encontros de especialistas na tentativa de estabelecer padrões para a descrição bibliográfica. Surgido a partir de um destes encontros internacionais, os FRBR - Functional Requirements for Bibliographic Records (Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos), publicados pela International Federation of Library Association and Institutions (Federação Internacional de Associações e Instituições Bibliotecárias) em 1998, apresentam uma releitura dos registros bibliográficos, reorganizando seus elementos e apresentando os conceitos de entidades, atributos e relacionamentos. O presente estudo visou perceber os reflexos do modelo FRBR em um catálogo eletrônico, on-line, de cobertura nacional, através do exame dos registros bibliográficos no formato MAchine Readable Cataloging – MARC, buscando sistematizar os relacionamentos entre os elementos. Por meio da análise de literatura pertinente e das características consideradas como potenciais para realizar o estudo, foram selecionados registros a partir do Catálogo Coletivo da Rede Bibliodata, caracterizando um estudo de caso. Para ilustrar o reflexo do modelo nos registros, foi utilizada a ferramenta conversora FRBR Display Tool, da Library of Congress (LC), além de ferramentas auxiliares quando necessário. Complementando o estudo, houve um retorno à literatura para atingir o objetivo de sistematizar os relacionamentos, dado o relativo insucesso da ferramenta neste aspecto. As etapas analíticas englobam os registros da amostra, notadamente descritiva, e dos registros convertidos no documento que contém os registros modelados. Nesta fase, na impossibilidade de discutir todos os casos encontrados, elegeu-se casos típicos para cada tipo de entidade proposta nos FRBR. Os resultados encontrados apontam para a necessidade de normalização de registros e sugere-se o uso de campos MARC de ligação para uma possível melhor visualização do potencial do modelo. A ausência de discussões a respeito do uso de modelos e padrões internacionais é considerada como problema em potencial e indicam-se caminhos de pesquisas futuras passíveis de realização,como contribuição para a construção do corpus teórico da área.
PALAVRAS-CHAVE: registro bibliográfico; descrição bibliográfica; FRBR; IFLA.

REQUISITOS FUNCIONAIS PARA REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS - FRBR

http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/viewarticle.php?id=42


Requisitos funcionais para registros bibliográficos - FRBR: uma apresentação
Functional requirements for bibliographic records – FRBR: an introduction
p. 20-38


Fernanda Passini Moreno, CID, UnB - Universidade de Brasília
Miguel Ángel Márdero Arellano, CID, UnB - Universidade de Brasília



Resumo

A área de estudos da biblioteconomia, denominada representação descritiva, ou catalogação, tem um histórico de encontros de peritos para estabelecimento de padrões de descrição de documentos, no que tange às regras e formatos. Passados quarenta anos da Declaração dos Princípios de Paris, em 1961, teve início um re-exame de práticas normas de catalogação, sob a responsabilidade de um grupo de estudos da Seção de Catalogação, Classificação e Indexação da IFLA-Internacional Federation Library Associations and Institutions – Federação Internacional de Associações e Instituições Bibliotecárias, materializado no relatório final: FRBR – Functional requirements for bibliographic records: final report, FRBR - Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos. Representando um avanço significativo na área de representação bibliográfica, publicado em 1998, apresenta conceitos e definições de entidades, relacionamentos e atributos, lançando um novo olhar sobre o objeto bibliográfico, centrado no usuário e suas ações. O modelo tornou-se objeto de teses, dissertações, grupos de estudos permanentes, tema de seminários e projetos de pesquisa, em nível internacional. Ao propor relacionamentos de diversas naturezas, os FRBR propõem o agrupamento de entidades com semelhanças, oferecendo um maior número de opções ao usuário que busca informações nos registros bibliográficos. Apesar de ser amplamente discutido, possuindo projetos de pesquisa para implementação do modelo em softwares bibliográficos, no exterior, no Brasil não existem registros de discussão a respeito. Este trabalho apresenta o modelo e algumas considerações como o início de um debate sobre o tema, que revela o futuro da descrição bibliográfica no cenário mundial e a criação do Código de Catalogação Internacional.